Home - Opinião - A Feira do Queijo e a “dinâmica económica” de Oliveira do Hospital nas décadas de 80 e 90… Autor: Fernando Tavares Pereira

A Feira do Queijo e a “dinâmica económica” de Oliveira do Hospital nas décadas de 80 e 90… Autor: Fernando Tavares Pereira

Quero felicitar o Município de Oliveira do Hospital pelo evento da Feira do Queijo Serra da Estrela que consegue atrair milhares de pessoas à cidade e ao concelho. É um acontecimento que já faz parte da economia local. Pena que sejam apenas dois dias. Mas sempre é melhor que nada. É um daqueles momentos que me transporta para as décadas de 80 e 90 e para aquilo que este concelho representou nesses tempos como “centralidade económica” da região.

Toda a minha geração, e outras anteriores, se recorda que Oliveira do Hospital era um ponto central em termos comerciais e industriais. Era um local importante para estas terras que hoje se vêem abandonadas. Só para se ter uma noção das potencialidades desta localidade, basta notar que, nessa altura, o concelho tinha cerca de 250 empresários da construção civil, firmas ligadas ao frio, era uma referência nas madeiras/carpintarias, nos têxteis, tinha armazenistas dos mais variados sectores, metalomecânica, cantarias, granito, cobres e latão, assim como o artesanato local. Tudo o que uma casa necessitasse, Oliveira do Hospital tinha. Desde a sua construção até à manutenção. Tempos que, certamente, os oliveirenses recordam com orgulho.

Infelizmente, daí para cá pouco se fez. Perdeu-se aquela chama que fazia de Oliveira do Hospital um ponto visitado por milhares de pessoas e quase tudo desapareceu, incluindo o comércio local de todo o concelho. Não só para percorrer alguns eventos, que nessa altura já se realizavam, como também para fazer as suas compras, os seus ajustes (negócios) e a busca dos bons produtos produzidos nestas nossas terras. Era um concelho com gente que se dedicou a desenvolver o município com a sua forte e aguerrida capacidade empreendedora.

O poder político, contudo, não soube honrar estas pessoas e hoje restam apenas alguns orgulhosos resistentes que lutam contra as adversidades que quem tinha obrigação de os ajudar lhes vai colocando pelo caminho. O poder local e central deixou-nos ao abandono. Veja-se a vergonha que se passa na saúde, na educação, na justiça, assim como a falta de acessibilidades a este concelho e a todo o Norte da Serra da Estrela.

Senhores presidentes de Câmaras, e políticos em geral, tenham respeito pelo passado e por quem tanto trabalhou (e alguns ainda trabalham) em prol do desenvolvimento de todo o Norte da Serra da Estrela e de 95 por cento de todo o Interior. Têm de estar cientes que estes territórios também são Portugal. Com gente de valor e capacidade empreendedora. Mas esquecida. Tivesse esta população as oportunidades que são oferecidas a outros e o Interior teria um desenvolvimento que faria de Portugal um país melhor.

Resta-me felicitar os resistentes que lutam contra tudo e contra todos para manterem as suas empresas a funcionar e aguardar que os políticos tenham a capacidade de se documentarem… e talvez fiquem surpreendidos com a capacidades destas gentes.

 

 

Autor: Fernando Tavares Pereira

LEIA TAMBÉM

Vacinas e pandemias. Autor: Luís Monteiro

Mary Wortley Montagu (1689-1762) foi uma escritora e poetisa notável. O nome da aristocrata inglesa …

“Bilhete Postal” desde Vila Franca da Beira e Aldeia Formosa. Edifício da (ex) Escola Primária de Vila Franca da Beira e Aldeia Formosa. Não é “património” do Presidente da Câmara Municipal ou de outros! Autor João Dinis

Vem esta nota prévia a propósito da ainda recente informação vinda a público pela boca …