Home - Últimas - Estudo da UA revela que smartphones complicam desenvolvimento da linguagem nas crianças

Estudo da UA revela que smartphones complicam desenvolvimento da linguagem nas crianças

Quanto maior é o tempo de utilização de dispositivos digitais por crianças em idade pré-escolar, menor é o respectivo desenvolvimento da linguagem. Esta é uma das grandes conclusões de um estudo da Universidade de Aveiro (UA) que procurou analisar a relação entre a utilização de dispositivos digitais, as dinâmicas familiares e o desenvolvimento da linguagem em crianças.

Publicado na revista CoDAS (Communication Disorders, Audiology and Swallowing), o estudo, assinado por Maria Inês Gomes, Marisa Lousada e Daniela Figueiredo, investigadoras do Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde (CINTESIS.UA@RISE), uma das unidades de investigação da UA, contou com a participação de 93 famílias nacionais com crianças com uma média de idade de 57 meses.

Os principais resultados do estudo, aponta Daniela Figueiredo, mostram que “a maioria das famílias participantes tem um funcionamento familiar equilibrado e que, em média, as crianças apresentam um desenvolvimento normal da linguagem”. No entanto, sublinha, “verificou-se que em famílias nas quais se observa menor coesão, flexibilidade e satisfação familiar há um aumento do tempo de utilização do smartphone ou do tablet por parte das crianças”.

Por outro lado, observou-se também que, “quanto maior é o tempo de utilização de smartphone, tablet e/ou computador por parte das crianças, os resultados em termos de desenvolvimento de linguagem, avaliados por provas de expressão verbal oral e compreensão auditiva, também foram piores”.

Por fim, os resultados “indicam uma associação muito significativa entre o tempo de utilização deste tipo de dispositivos por parte dos pais fora do horário de trabalho e o tempo de uso deste tipo de ecrãs por parte das crianças”. Ou seja, explica a investigadora, “a mais tempo de horas de utilização de smartphones e tablets por parte dos pais, se associa também mais tempo de uso destes dispositivos por parte das crianças, durante a semana e ao fim-de-semana”.

O estudo destaca assim o impacto do tempo de utilização de ecrãs e o papel do funcionamento familiar no desenvolvimento da linguagem da criança em idade pré-escolar.  “Os resultados mostram que uma utilização mais excessiva destes dispositivos pode estar associada a dimensões menos equilibradas do sistema familiar e comprometer o desenvolvimento da linguagem”, avisa Daniela Figueiredo.

As investigadoras consideram que uma utilização moderada deste tipo de ecrãs – até um máximo de 1 hora por dia até aos 5 anos de idade, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (2019) – e um ambiente familiar saudável, são fundamentais para promover um desenvolvimento linguístico adequado das crianças.

LEIA TAMBÉM

Espectáculo multimédia “As músicas que os vinhos Dão” anima 23 ª Feira de Vinho do Dão de Nelas

Dezanove empresas do concelho de Nelas distinguidas com estatuto de PME Líder

O Concelho de Nelas viu este ano distinguidas 19 empresas com o estatuto de PME …

Monumento com cravo gigante evoca 25 de Abril em Tábua

A instalação de um monumento na Rotunda da E.N. 17, no nó de acesso ao …