Home - Últimas - Maior operador de maçã da Beira Alta disposto a pagar seis milhões pela falida Desfruta

Maior operador de maçã da Beira Alta disposto a pagar seis milhões pela falida Desfruta

Após ter pago mais de quatro milhões de euros para se tornar o maior operador de maçã da Beira Alta, Henrique Cabral Menezes, dono da marca de “snacks” de fruta desidratada Fruut, pretende adquirir os activos da falida Desfruta, pelos quais está disponível para pagar seis milhões de euros. A informação é avançada pelo Jornal de Negócios.

A Desfruta declarou insolvência no último Verão e despediu os cerca de 40 trabalhadores por falta de dinheiro para pagar os salários, tendo dívidas de aproximadamente 11 milhões de euros. A empresa ainda apresentou um plano de recuperação aos credores, mas o documento acabou por ser chumbado e o Tribunal decretou a liquidação dos activos.

Henrique Cabral Menezes mostra-se disponível para comprar a Desfruta. O empresário adianta que, com esta aquisição, passaria a conservar 18 mil toneladas espalhadas por quatro instalações.

Henrique Menezes já investiu 15 milhões de euros no setor das maçãs desde 2017, depois de ter renunciado à administração da CGD. Nesse ano, deixou Lisboa e regressou a Viseu para gerir o negócio familiar da Quinta de Vilar. O empresário tem agora 65 hectares de produção, a maioria (42) no concelho de Sátão.

Desde que o projecto da Fruut arrancou há mais de dez anos, já foram salvas quase 10 mil toneladas de fruta e vendidas 25 milhões de embalagens em 35 países.

Em Maio passado, a Quinta de Vilar comprou a empresa Frutas Cruzeiro em Armamar por quatro milhões de euros, tornando-se dona da maior operadora de capacidade de conservação da maçã na zona da Beira Interior e passando a conservar 12 700 toneladas de fruta fresca.

Em 2023, o volume de negócios do grupo de Henrique Menezes ultrapassou os nove milhões de euros. Para 2024, a expectativa é atingir os 11 milhões de euros. A Quinta de Vilar emprega actualmente 73 pessoas, das quais 28 estão alocadas à Fruut.

As exportações representaram 45 por cento das vendas da Quinta de Vilar, com destaque para os mercados inglês, espanhol, escandinavo, holandês, israelita e coreano.

Foto: Jornal de Negócios

LEIA TAMBÉM

Nelas promove formação em suporte básico de vida e manuseamento de extintores aos auxiliares das Escolas do Concelho

O Município de Nelas promoveu, no dia 24 de Fevereiro, formação em Suporte Básico de …

Nelas isenta empresas da derrama até 150 mil euros

As empresas e comércio do concelho de Nelas vão ter isenção da derrama até 150 …