Home - Opinião - PAZ  sim ! Guerra, não ! Autor: Carlos Martelo

PAZ  sim ! Guerra, não ! Autor: Carlos Martelo

PAZ  sim ! Guerra, não !

Mais verbas no Orçamento do Estado mas para – Saúde –  Educação, Habitação – Salários – Reformas – etc !

Menos verbas para Armas e Guerras !

E poderíamos continuar com mais exemplos de investimentos positivos, humanamente necessários para assegurar maior dignidade e mais felicidade às nossas Vidas !   E para evitar o sofrimento atroz motivado pelas Guerras !

Vem este mais do que sentido apelo motivado pelo debate que se trava em torno das guerras mais «mediatizadas». Um debate aliás manipulado pelas «cabeças quentes» dos apologistas (de sofá…) da guerra, desde logo da guerra na Ucrânia que se agravou bastante nos últimos dois anos. Pois, após dezenas ou mesmo centenas de milhar de mortos e de mais ainda feridos, uns e outros somados de ambos os lados mais directamente envolvidos na contenda, após tanta destruição e sofrimento, cabe perguntar como nos posicionarmos perante a situação trágica e perigosa que se vai mantendo ?  Vamos por partes :

Putin e Zelensky, não têm já para onde recuar pois mantêm posições bélicas irredutíveis com as quais arriscam agravar ainda mais a tragédia que grassa diariamente.

A  NATO, esta União Europeia e os principais governantes também do nosso País estão nesta linha de intervenção mais belicista, o que é lamentável

De um desses desvairados sítios – dos EUA via Trump –  ameaça a teoria de se aumentar as despesas com uma suposta e alegada «Defesa», no âmbito da NATO, até pelo menos 2% do valor do PIB, Produto Interno Bruto, nacional.      É uma enormidade e um inadmissível atentado à soberania e à independência nacionais e à Constituição da República, num contexto de ataque institucionalizado às nossas condições de vida e de trabalho mais em concreto !

Ultimamente, Portugal gasta na elegada «Defesa» do Ministério da Defesa (com GNR incluída), via Orçamento  do Estado anual, na ordem de uns 1, 4% sobre o PIB o que corresponde a uns 2 mil e quinhentos milhões de euros o que já é demais.  Ora, se a despesa passar para os tais mínimos «obrigatórios» de 2% do PIB, isso implica gastar anualmente perto de 5 mil milhões de euros, quase o dobro !  Uma brutalidade em grande parte inútil e até perversa por natureza !

Pois com uma tal verba «suplementar» para agradar aos «chefões» da NATO, quantas Escolas e quantos Hospitais se poderiam construir no nosso País ?  Para assegurar a Escola e a Saúde de que precisamos e a que temos direito.    Em vez de se contribuir para alimentar guerras «dos outros» e para aumentar os já criminosos lucros dos «traficantes da morte» como também eu já aprendi a chamar os donos da indústria e do comércio do armamentos…

A criminosa «mentira política» de que, em Portugal, devemos gastar esse dinheiro todo na nossa «defesa» agora em relação a Putin e à Rússia, amanhã em relação a quaisquer outros…

É uma «mentira política» deliberada insinuar-se sequer que alguma vez seria opção para Putin, ou para a China que também está na mira dos EUA, mandarem tanques, soldados, «drones» e mesmo aviões, atravessar toda a Europa, ou a África, até atingir Portugal.  No limite, seria opção mandar mísseis intercontinentais e submarinos indetetáveis caso Portugal se constituisse num inimigo direto de uma «superpotência» embora a importância estratégica do nosso País não nos pareça grande coisa.  Enfim, não sabemos o que de realmente «estratégico» em termos militares (armamentos…) têm, lá dentro do bojo, as bases militares da NATO em território nacional…  E até os Açores já perderam importância para os EUA e para a Nato.  Porém, se alguma vez acontecesse algo sequer parecido, então não haveria «defesa» que nos valesse pois estaríamos já, quase de certeza, em pleno conflito nuclear absolutamente incontrolável e letal !  Por isso, a única e verdadeira «defesa» é, hoje e sempre, construir a PAZ e acabar com as guerras !   E, seguramente, é muito, muito mais barato…

Aliás, outro grande embuste político, oficial, a render dólares, é a teoria de que os EUA é que garantem a segurança dos seus parceiros da NATO, na Europa, um conceito vigarizado que já vem desde o tempo do «inimigo soviético».  Não ! Nós os habitantes da Europa, nós é que somos a «apólice» de um «seguro de segurança» para o território e os habitantes dos EUA em caso de algum confronto directo com a Rússia com quem, na Europa, há quem tenha fronteiras próximas e, assim, esteja condenado a «sofrer mais e primeiro»…  Nisto, os EUA são muito piores que «os amigos de Peniche» do tempo das invasões napoleónicas em marcha para Lisboa…

Serviços de informação e contra-informação, a mando de serviços secretos, «comandam» na grande comunicação social e «fazem a cabeça» das Pessoas a favor das guerras…apesar das mortes, da destruição e do sofrimento que estas  causam…

Temos exemplares destes autênticos profissionais «civis» da manipulação ideológica mais descarada, em relação à guerra na Ucrânia em especial, num determinado canal televisivo. Então, um desses atrás referidos, todas as semanas faz por mostrar fotos, mapas, alegadas «notícias» e vídeos da guerra nua e crua e quase em direto, sem nunca referir quem, como e de onde obtém ele esses elementos de óbvia manipulação intencional e também ninguém lhe pergunta… E, isto, para além de outros «comentadores encartados»…

Por causa da guerra, Zelensky está a «autocondenar-se»…

Há dois anos que Zelensky, enquanto Presidente da Ucrânia, se mantém muito visível, nomeadamente através dessa grande comunicação social. E tem governado e tomado e anunciado «milhentas» opiniões e medidas políticas internas e externas, inclusivé no âmbito militar, em que sempre enfatiza toda uma grande convicção na vitória na guerra. Está no seu papel de porta-voz nacional e até nacionalista. E reclama e reclama por mais e «melhores» armamentos e, neste momento, abre mais um muito abrangente programa de recrutamento de soldados Ucranianos para a frente de batalha, afinal para fornecerem a chamada «carne para canhão».  O problema é que a vitória é muito problemática e não se prevê como possa acontecer pelo menos de forma inequívoca caso não haja um envolvimento direto e massivo da NATO o que seria o pior a acontecer…embora, do ponto de vista geo-estratégico, os EUA estejam dispostos a fazer sacrificar até ao último Ucraniano…até ao último Russo…e, se tiver de ser, também até ao último Português…

Porém, Zelensky não deixa margem para recuar nessa sua posição. Por isso, já começa a «estorvar» e arrisca-se muito…  Um dia destes, é apeado das suas funções e se «algo ou alguém», tipo CIA dos EUA ou o M 16, este os serviços secretos Britânicos externos, chegarem à conclusão de que Zelensky lhes é mais útil morto do que vivo, lá o mandam «ir sossegar» para o outro mundo…  E por cá se dirá que «foi o Putin»…  E o (ainda) presidente Biden, com aparência de «múmia» fúnebre, lá receberá a viúva do Zelensky, na Casa Branca…com a grande comunicação social a mostrar e a remostrar…

E assim vai esta guerra.

E é tão ou ainda mais brutal e sórdida aquela outra guerra que acontece em Gaza, na Palestina ocupada e massacrada pelos sionistas de Israel !

Paz Sim  e sempre !   Guerra Não, para sempre !

Carlos Martelo

 

 

 

Carlos Martelo

 

 

 

 

LEIA TAMBÉM

Vacinas e pandemias. Autor: Luís Monteiro

Mary Wortley Montagu (1689-1762) foi uma escritora e poetisa notável. O nome da aristocrata inglesa …

“Bilhete Postal” desde Vila Franca da Beira e Aldeia Formosa. Edifício da (ex) Escola Primária de Vila Franca da Beira e Aldeia Formosa. Não é “património” do Presidente da Câmara Municipal ou de outros! Autor João Dinis

Vem esta nota prévia a propósito da ainda recente informação vinda a público pela boca …