Home - Últimas - Politécnico da Guarda quer ajudar a prevenir efeitos adversos da medicação nos idosos

Politécnico da Guarda quer ajudar a prevenir efeitos adversos da medicação nos idosos

A Escola Superior de Saúde do Instituto Politécnico da Guarda (IPG) participa num projecto europeu que tem como objectivo prevenir os efeitos adversos da medicação nos idosos, combater a perda de autonomia e diminuir as hospitalizações. O IPG refere, em comunicado, que a instituição integra o projecto europeu denominado STOP-IATRO, que tem como objectivo prevenir a iatrogenia, os efeitos adversos da medicação nos mais velhos.

Com financiamento europeu de 1,7 milhões de euros, o projecto reúne investigadores e profissionais de saúde que vão trabalhar em conjunto para combater a perda de autonomia e diminuir as hospitalizações.

A iniciativa tem parceiros em Portugal, Espanha e França e o projecto irá identificar boas práticas utilizadas nos três países, analisar os potenciais riscos associados aos cuidados de saúde e elaborar recomendações para melhorar a qualidade de vida da população idosa, e prevenir a sua perda de autonomia.

O STOP-IATRO (Start Therapeutic OPtimisazion and IATRogenesis prevention on Older People) é liderado pelo Centro Hospitalar Universitário de Toulouse, em França, país onde também está envolvido o Centro Hospitalar Universitário de Limoges.

Em Portugal, para além do Politécnico da Guarda, participa a Universidade de Aveiro. Em Espanha, integram o projecto a Fundação Saúde Envelhecimento da Universidade Autónoma de Barcelona e o Instituto de Investigação Biomédica de Málaga.

A iniciativa em Portugal tem ainda como parceiros associados a Associação Nacional de Farmácias, a Sociedade Portuguesa de Farmacêuticos de Cuidados de Saúde Primários, a Sociedade Portuguesa de Geriatria e Gerontologia — bem como as unidades locais de saúde (ULS) da Guarda e da Região de Aveiro.

A investigadora do laboratório de epidemiologia e saúde populacional da Escola Superior de Saúde da Guarda e coordenadora deste projecto no IPG, Fátima Roque, considerou que a optimização no uso de medicamentos em idosos é um grande desafio para os profissionais de saúde, uma vez que durante o envelhecimento ocorrem importantes modificações fisiológicas que os tornam mais propensos a reacções adversas aos medicamentos.

De acordo com a investigadora, citada no comunicado do IPG, esse agravamento conduz por vezes ao aumento de hospitalizações e também a situações de dependência.

Fátima Roque assinalou que o projecto STOP-IATRO está a desenvolver estratégias para optimizar a utilização de medicamentos e para a diminuir a iatrogenia medicamentosa, de forma a prevenir a diminuição das capacidades.

Os parceiros irão desenhar acções inovadoras em co-criação com os profissionais de saúde, com vista à implementação de projectos-piloto nas diferentes regiões.

O presidente do IPG, Joaquim Brigas, salientou que a instituição continua a apostar forte em projectos europeus e que que lidera alguns deles, nomeadamente nas áreas da economia azul e da promoção das competências digitais na população.

 

LEIA TAMBÉM

Espectáculo multimédia “As músicas que os vinhos Dão” anima 23 ª Feira de Vinho do Dão de Nelas

Dezanove empresas do concelho de Nelas distinguidas com estatuto de PME Líder

O Concelho de Nelas viu este ano distinguidas 19 empresas com o estatuto de PME …

Monumento com cravo gigante evoca 25 de Abril em Tábua

A instalação de um monumento na Rotunda da E.N. 17, no nó de acesso ao …